PSICOLOGIA PARA TODOS

BLOG QUE AJUDA A COMPREENDER A MENTE E OS COMPORTAMENTOS HUMANOS. CONSULTA-O E ESCREVE-NOS, FAZ AS PERGUNTAS E OS COMENTÁRIOS QUE QUISERES E COLABORA PARA MELHORAR ESTE BLOG. «ILUMINA» O TEU PRÓPRIO CAMINHO OU O MODO COMO FAZES AS COISAS…

Archive for the month “Fevereiro, 2010”

PUNIÇÃO

Há já bastante tempo (12 de Fevereiro) que um comentador Anónimo me sugeriu que falasse na punição.

Peço desculpas por não o ter feito há mais tempo. Só hoje consegui arranjar tempo e disponibilidade para tratar deste assunto por duas razões: a primeira é que estava completamente empenhado na publicação do livro que vou mencionar hoje e, a segunda, é ter sido «punido» pelo ISMAT com três exames de avaliação num só mês e na mesma disciplina. É o pior que me pode acontecer porque não gosto de avaliar seja quem for.

Mas, passando à punição, posso dizer que a punição é o oposto da gratificação da qual todos gostam, Acredita-Bdetestando a punição. Contudo, a punição é necessária e, às vezes, imprescindível, pelo menos como uma potencial ameaça.

Quem não gosta que existam separadores no meio da estrada de duas vias? Quem detesta que sejam colocados as faixas de metal na berma das estradas para que os automobilistas não sejam cuspidos ou saiam do leito da estrada? Se não houvesse esses separadores e essas faixas de metal, muitos acidentes seriam mais graves, mais violentos e com consequências bem piores do que acontecem em locais em que essas faixas não existem.

Maluco2Muitos mais exemplos se poderiam dar mas, o que mais interessa reter deste exemplo, é que deve existir a ameaça da punição eficaz e eficiente para que algumas pessoas não se excedam naquilo que devem ou não fazer e que outros se salvem com uma punição adequada em tempo oportuno.

Quem quiser aprofundar esta matéria, enquanto o livro PSICOLOGIA PARA TODOS não ficar concluído e publicado, pode recorrer aos livros A PSICOLOGIA NO DIA-A-DIA ou aos 5 volumes de COMO MODIFICAR O COMPORTAMENTO. Aí se fala amplamente na punição e seus efeitos.

Psicopata-BComo não desejamos ser punidos, se não conseguirmos evitar ou fugir dessa punição, entramos em frustração (ver post Frustração) e procuramos formas alternativas de, pelo menos, a suavizar. Se não conseguirmos atingir este intento e continuarmos a ser punidos, podemos entrar em depressão aprendida, o que é patológico (Saúde Mental sem psicopatologia).

Quando conseguirmos resolver ou minimizar o sentimento de frustração, tentamos utilizar o mesmo mecanismo das vezes seguintes até chegarmos ao ponto da perfeição para podermos entrar, eventualmente, na motivação para o sucesso: é, provavelmente, a aprendizagem com reforço secundário positivo aleatório.

Joana-BPara verificar isto, podemos escrutinar o passado e a vida de muitos empresários de sucesso.

E para não irmos muito longe, a Cidália de quem fala o livro aqui apresentado, foi punida várias vezes pelo seu afastamento forçado em relação aos pais, durante os primeiros vinte anos de vida. Foi de novo punida, aos 25 anos, pela exigência dos pais que a quiseram junto de si logo que vieram de Moçambique para a «Metrópole». Também foi mais violentamente punida quando soube que os seus próprios pais levavam uma vida «indecente», segundo os cânones por ela aprendidos com os avós, seus únicos «pais».

Psicologia-BTudo isto a levou a entrar em frustração e a adoptar, como resposta ou reacção, comportamentos reprováveis até aos seus próprios olhos: alcoolizar-se e prostituir-se. Se não fosse um «tio» amigo que a encaminhou para a psicoterapia, que vida teria essa Técnica de Comunicação Social?

Essa resposta nova e inovadora para a ultrapassagem da frustração fez com que a vida da Cidália mudasse de tal maneira que até a vida «indecente» dos seus pais a deixou indiferente em relação aos «ganhos» que iria obter com uma nova conduta sua, a ponto de poder exclamar bem alto: Eu Também CONSEGUI!

Interacção-B30Embora a punição não seja boa e se torne necessária quando eficiente e eficaz, é indispensável como uma ameaça possível de se concretizar e pode tornar-se útil como um meio de ultrapassar frustrações de maneira engenhosa e proveitosa para o próprio.arvore

E até a comunidade pode ganhar com isso!

Já leu os comentários?

Ver post LIVROS DISPONÍVEIS

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual

Blogs anteriores:

PSY FOR ALL (desactivado) [http://www.psyforall.blog.com]

PSICOLOGIA PARA TODOS [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial “História do nosso Blog, sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentários que são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

FRUSTRAÇÃO

D. Fernanda Lima,Interacção-B30

Li o seu novo comentário, ao qual vou responder rapidamente depois de o transcrever a seguir. 

“Acabei de ler este post que me impressionou bastante e lembrei-me de uma amiga a quem estou a ajudar.
É casada mas, apesar de gostar do marido, dá-se mal com ele porque é um bruto e até chegou a bater-lhe.
Está sempre a inferiorizá-la porque ela é economista e ele empregado subordinado administrativo por não ter querido estudar quando podia e devia.Psicologia-B
Foram colegas de estudo e, enquanto ela passava dificuldades, ele tinha tudo porque o pai era um Quadro bancário.
Ele não estudou e ficou na mão de baixo.
Agora, ela está preocupada porque o seu único filho está em conflito com o pai, mas não o demonstra abertamente.
Poderei dar-lhe alguma ajuda?
Eu e o meu filho estamos bem. Até à próxima.”mario-70

Se a sua amiga ou conhecida casou, porque desejava, com um colega da escola e ele não «avançou» nos estudos porque não quis, a situação pode estar a provocar nele um sentimento de inferioridade que ele não deseja e não consegue suportar.
Se o marido dela não estudou e agora se sente arrependido, pode agora estar numa situação irremediável
de não conseguir resolver a situação a seu contento. Se gostasse do emprego, o desagrado talvez ficasse mitigado. Se não gosta, tudo se pode alterar se sofrer com essa inferiorização que não deseja e da qual não se pode livrar.
Provavelmente, deverá entrar em frustração, podendo adoptar comportamentos inadequados como deslocar a sua raiva contra algum alvo substitutivo. Dizer que ele agrediu a sua amiga já evidencia qualquer coisa Biblio
semelhante. Dizer que ele entra em conflito com o filho também pode ser outro dos sintomas previsíveis.
Se naquela família todos se dão «aparentemente» bem, os alvos mais fracos e vulneráveis para o marido, sem receio de represálias, são os dois elementos: mulher e filho.
A solução não é fácil. Seria necessário algum dos dois colocar uma barreira contra as suas «agressões», físicas ou verbais e a apresentar ou demonstrar alguma possibilidade de retaliação que não seria necessário levar a cabo.
Para tanto, é imprescindível que qualquer deles, de preferência a sua amiga, tenha ou adquira capacidade de raciocínio e visualização suficiente de possíveis acções no futuro capazes de demonstrar aquilo que é verbalizado como ameaça Imagina-Bde retaliação.
Será a sua amiga capaz de fazer isso sozinha ou necessitará de alguma ajuda psicológica ou psicoterapêutica?

Através da leitura do meu último livro, pode conseguir entrar em relaxamento, mas idealizar o que acabei
de enunciar deve ser bastante difícil. Contudo, lendo os livros mencionados no post em que fez o comentário e consultando o post CORRUPÇÃO, pode conseguir descobrir a solução por si própria se não necessitar de algum apoio psicológico directo.

Não consigo dizer mais nada porque estou a responder com alguma urgência, preocupado com a intervenção do filho da sua Acredita-Bamiga.

Contudo, quem deve estar a necessitar mais de ajuda psicológica é o pai, para conseguir mudar o seu comportamento. Depois disso, a mãe pode necessitar de ajuda para poder suportar o marido. Por fim, o filho pode ter de ser ajudado, por estar a «pagar por tabela».

Boa sorte para todos.

Já leu os comentários?Saude-B

Ver post LIVROS DISPONÍVEIS 

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual

Blogs anteriores:

PSY FOR ALL (desactivado) [http://www.psyforall.blog.com]arvore

PSICOLOGIA PARA TODOS [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial“História do nosso Blog, sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentáriosque são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

Post Navigation

%d bloggers like this: