PSICOLOGIA PARA TODOS

BLOG QUE AJUDA A COMPREENDER A MENTE E OS COMPORTAMENTOS HUMANOS. CONSULTA-O E ESCREVE-NOS, FAZ AS PERGUNTAS E OS COMENTÁRIOS QUE QUISERES E COLABORA PARA MELHORAR ESTE BLOG. «ILUMINA» O TEU PRÓPRIO CAMINHO OU O MODO COMO FAZES AS COISAS…

JOANA a traquina ou simplesmente criança? – índice remissivo – glossário

ÍNDICE REMISSIVO – GLOSSÁRIO 

Alfabético dos conceitos, exemplificados,
da modificação do comportamento
contidos neste livro.

Conceito / explicação com exemplo? (número das páginas)

Aculturação / Influência das culturas e sub-culturas nos preconceitos (155-158)
Adolescência / Seus problemas explicados ao bancário, amigo do pai da Joana (175-180)
Contingências / Substituição, no comboio, da minha pessoa pela idosa que alterou a resposta da Joana (100)
Contingências / Erros dos pais – comportamentos inadequados e extemporâneos (259-266)
Desenvolvimento / Entre os 7 e os 9 meses de idade (L. R. Ferguson) (286)
Desenvolvimento humano / Generalidades sobre o desenvolvimento psicológico (163-168)
Desvios comportamentais / Conversa sobre desvios comportmentais com a mãe da Joana (225)
Dissonância cognitiva / Explicação técnica, com exemplos (43-44)
Efeito de Zeigarnick / Reatamento, pelo engenheiro, da conversa do dia anterior (58-59)
Extinção / Colega do infantário da Joana e eu, quando pequeno (24-25)
Extinção / Exemplos para o pai da Joana (56-58)
Facilitação social / Trabalho da Joana com o bebé na piscina, na modelagem, moldagem, etc.(247-248)
Feedback / explicação ao engenheiro (77-78)
Furtos afectivos / História da Marília filha da amiga da mãe da Joana (109-111)Psicologia-B
«Educação» errada / Inoportunidade e inadequação dos reforçadores (217-220)
Interacção familiar / Explicação da sua necessidade ao pai da Joana (89-92)
Interacção familiar-educação / Necessidade para modelagem e identificação (284-286)
Lista de procedimentos / Observação e registo (96-97
Modelagam e identificação / Explicação dos parâmetros no caso da Joana (122-124)
Modelagem / Criança pequena a tentar imitar-me com espirro (255-256)
Modelagem abstracta / Joana e o modelo do rapazinho da praia do ano anterior (32-35)Interacção-B30
Modelagem-Identificação / Pai da Joana a falar de si quando criança, quase a elogiar isso, em presença de filha (16-18)
Modificação do comportamento / Adequação e oportunidade das acções – exemplo das contingências com uma bebé prima da Joana (218-220)
Modificação do comportamento / Resultado da acção do bancário com o filho transviado (ver D/175-180) (249-252)
Moldagem / Experiência feita pelos alunos com um professor, explicada ao pai da Joana (51-55)Imagina-B
Moldagem / Exemplo da mendiga no Parque Eduardo VII (125-127)
Motivações gerais / Explicação dada à mãe da Joana (291-296)
Nível intelectual / Diferença entre a posição ordinal dos filhos – investigação de 1976, nos EUA (Weinberg e outros) (232)
Pico de extinção / Conversa com a senhora idosa (59-60)
Previsão / Previsão do comportamento de Joana conforme o meio ambiente (20)
Psicanálise-modificação do comportamento / Exemplificação da diferença entre pensamentos psicanalítico e Maluco2comportamentista (129-132)
RCI / Bloco de papel apresentado à Joana no comboio (19)
Reforço / Explicações pormenorizadas, com exemplos, para o pai da Joana (67-74)
Teimosia / Aprender a teimosia por culpa dos mais velhos (47-50)

GLOSSÁRIO constante das páginas 293 a 298 do livro

Este Glossário, consultado desde o início, pode ajudar o leitor a interpretar e a compreender mais fácil e adequadamente, sob um ponto de vista científico, os termos e, em especial, os conceitos técnicos da ciência e modificação do comportamento (Psicologia).

APRENDIZAGEM – Incorporação de observações e experiências novas para a modificação permanente do indivíduo sob o ponto de vista das ideias e do comportamento. Todas as vivências do indivíduo são uma fonte permanente de aprendizagem.

APRENDIZAGEM POR IDENTIFICAÇÃOVer Identificação.

APRENDIZAGEM POR MODELOVer Modelagem.

APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃOVer Modelagem.

BEHAVIORISMO – Comportamentismo ou Condutismo. Escola de Psicologia iniciada em 1908 por Watson que, afastando-se dos conceitos da época, determinou como objecto da psicologia os factos observáveis e não os fenómenos da consciência e, como método, a observação, a experimentação e o registo, utilizados nas ciências naturais.

CONFLITO – Situação a que um organismo fica sujeito quando tem de escolher entre duas ideias, intenções, interesses ou respostas incompatíveis, inacumuláveis ou antagónicas: Vou ou não vou? Aceito ou rejeito? Viajo de autocarro ou de comboio?

DANOS COLATERAIS Ver Efeitos secundários.

DISSONÂNCIA COGNITIVA – Situação de estar perante duas «verdades», factos, cognições ou peças de conhecimento que não são coerentes nem concordantes mas que podem parecer como tal. Por exemplo, ouvir uma pessoa dizer que roubar é mau e vê-la roubar como se esse acto fosse louvável.

EFEITO DE ZEIGARNIK – Recordação maior de tarefas inacabadas – por razões plausíveis (falta de tempo, necessidade de interrupção, etc.) – do que de tarefas concluídas, provavelmente devido à frustração provocada pela sua não-conclusão: modo como termina cada episódio duma telenovela

EFEITOS SECUNDÁRIOS (Danos colaterais) – Efeitos que são provocados por determinados medicamentos ou actos terapêuticos, como pode acontecer com as técnicas de saciação, punição ou condicionamento aversivo, deficientemente planeadas e mal conduzidas.

ESTÍMULO – Qualquer coisa que provoca reacção sensorial ou de ideias: visual, auditiva, táctil, gustativa, olfactiva ou ideativa. Uma pintura, uma música, uma superfície molhada, seca, quente, fria, ou até palavras, são estímulos captados pelos nossos sentidos e percebidos pelo cérebro.

EXTINÇÃO – Finalização duma resposta aprendida através da omissão ou eliminação do estímulo incondicional no condicionamento clássico ou do reforço, no condicionamento operante.

FACILITAÇÃO – Sinais, indícios ou apoios que ajudam a desencadear um determinado comportamento ou ideia que, de outra maneira, não seria iniciada com a mesma prontidão.

FEEDBACK” – Reaferição ou retroacção: percepção do resultado duma acção, com a finalidade de introduzir as correcções ime-diatas necessárias, para se conseguir o objectivo desejado ou planea-do.

FRUSTRAÇÃO – Incapacidade de execução duma acção motivada ou de obtenção duma finalidade devido a um obstáculo, actuação defeituosa ou falsa expectativa.

IDENTIFICAÇÃO – Aprendizagem por identificação. É a realização de acções ou imaginação de que as mesmas se realizam de acordo com um modelo com quem se processa essa identificação. Embora algumas vezes o comportamento não seja semelhante ao do modelo, aquilo que tem mais relevância neste tipo de aprendizagem é a suposição do aprendiz de que está a ser igual ao modelo, podendo até julgar-se o próprio.

IMAGINAÇÃO ORIENTADA (IO) – Técnica de psicoterapia utilizada com relaxamento mental e, se possível, hipnose, para analisar objectiva e racionalmente os factos passados, verificar se poderiam ter sido diferentes e utilizar essa aprendizagem para planear futuros comportamentos mais satisfatórios e muito mais vantajosos (J).

LOBO FRONTAL – Parte frontal superior dos dois hemisférios cerebrais, situada adiante do sulco central, relacionada em grande parte com o raciocínio, abstracção, planeamento, decisão, avaliação, controlo das pulsões e emoções, concentração da atenção, flexibilidade, criatividade, juízo moral, ética e outros processos mentais superiores que se desenvolvem geralmente entre os 8 e os 20/25 anos de idade, dependendo muito do meio ambiente.

MODELAGEM – Aprendizagem social, por modelo ou observação. É a aprendizagem através da imitação dos comportamentos ou reacções observadas num modelo. Os modelos são pessoas ou coisas que exercem um certo impacto no aprendiz. A TV, o Teatro, a Empresa, a vida pública, os grupos de referência e especialmente os familiares e superiores, proporcionam quase todos os modelos a imitar.

MOLDAGEM – Técnica de condicionamento em que, à medida que as respostas mais simples são aprendidas, deixam de ser sucessivamente reforçadas para se reforçarem unicamente as mais complicadas até se obter o comportamento complexo final.

PERSONALIDADE – Conjunto de características e tendências estáveis (pensamentos, sentimentos, acções) que determinam as semelhanças e as diferenças de comportamento psicológico dos indivíduos ao longo do tempo. Além das necessidades biológicas e tendências hereditárias, as pressões sociais, as contingências ambientais e situacionais, determinam em grande parte os traços de personalidade.

PUNIÇÃO – Estímulo nocivo, geralmente aplicado em psicologia experimental e comparada (na experimentação com animais), com a finalidade de evitar o comportamento indesejável. Com o evitamento ou eliminação da punição obtém-se o reforço negativo.

REFORÇO – Satisfação obtida com uma gratificação ou com a eliminação duma punição. O reforço aumenta a probabilidade de ocorrência da resposta ou comportamento que o antecede. Pode ser primário ou secundário; positivo ou negativo; de intervalo fixo ou variável; de razão fixa ou variável; imediato ou diferido; vicariante e aleatório.

REFORÇO ALEATÓRIO – Reforço obtido em quantidade, qualidade, dimensão e temporalidade variáveis, em consequência de um número imprevisível de acções ou comportamentos.

REFORÇO DE COMPORTAMENTO INCOMPATÍVEL – Reforço de todos e quaisquer comportamentos que são incompatíveis com aquele que se deseja eliminar. É uma óptima alternativa da técnica de extinção. Se desejarmos eliminar o hábito de roer as unhas, vamos reforçar todos os comportamentos de não aproximar as mãos da boca, como por exemplo, trabalhar com plasticina, escrever, cumprimentar as pessoas, meter as mãos nos bolsos. Têm de ser comportamentos que só se executam sem poder roer as unhas (TEA) (J).

REFORÇO DE RAZÃO FIXA – Reforço obtido no final de cada acção ou grupo de acções pré-determinadas.

REFORÇO DE RAZÃO VARIÁVEL – Reforço obtido no final de um número imprevisível de acções ou comportamentos.

REFORÇO DE TEMPO OU INTERVALO FIXO – Reforço obtido com base numa periodicidade pré-estabelecida.

REFORÇO DE TEMPO OU INTERVALO VARIAVEL – Reforço obtido com base numa periodicidade indeterminada e imprevisível.

REFORÇO DIFERIDO – Reforço que não é obtido de imediato, mas sim ao fim de algum tempo, tal como acontece com os juros do capital investido a prazo.

REFORÇO IMEDIATO – Reforço que é obtido imediatamente depois de executar uma acção ou um comportamento.

REFORÇO NEGATIVO – Satisfação obtida com a retirada ou eliminação duma punição que provoca respostas de fuga ou evitamento dessas estimulações nocivas. É precursor do vício.

REFORÇO POSITIVO – Satisfação provocada por uma gratificação ou com a obtenção duma situação desejada.

REFORÇO PRIMÁRIO – Reforço obtido com a satisfação das pulsões ou necessidades básicas, tais como alimento, sono, etc.

REFORÇO SECUNDÁRIO OU SOCIAL – Reforço obtido com a satisfação das necessidades secundárias ou sociais (aprendidas), tais como simpatia, honras, prestígio, afagos, dinheiro, bens materiais, etc.

REFORÇO VICARIANTE (vigarista?) – Reforço obtido através do bom desempenho do modelo com quem uma pessoa se está a identificar ou modelar, como no cinema, nas telenovelas, na moda, etc. É o reforço obtido na aprendizagem social (Albert Bandura)

“STRESS” – Tensão nervosa. Vocábulo inglês significando estimulação que provoca tensão permanente nas capacidades fisiológicas ou psicológicas dum organismo animal (estresse).

TERAPIA DO EQULÍBRIO AFECTIVO (TEA) – Terapia psicológica em que são essencialmente valorizadas as recordações ou factos positivos ou agradáveis para se contraporem aos negativos, ultrapassando-os com a prática mantida através de (IO). Tese defendida em 1980, 10 anos antes da técnica de Psicologia Positiva (J).

VÍCIO – Hábito de execução de comportamentos ou de consumo compulsivo e exagerado de determinadas substâncias, difícil de extinguir, provocado geralmente através do reforço secundário ou social negativo de razão variável ou aleatório. A sua eliminação abrupta, nos casos de compostos químicos (álcool, droga, etc.) pode originar reacções de ressaca ou alterações orgânicas psicofisiológicas ou comportamentais substitutivas. No caso dos jogos, etc., pode conduzir a descompensações familiares, sociais, económicas ou quaisquer outras. Nos casos de psicoterapias mal conduzidas, pode ocasionar desequilíbrios psicológicos diferentes ou maiores do que aqueles que se estiver a reduzir ou eliminar, podendo alguns medicamentos ocasionar «habituação» desnecessária.

Este índice foi preparado devido a algumas incompreensões verificadas em quem consulta este blog.

Estes conceitos e exemplos, essenciais para dar apoio aos que não têm outras ajudas ou desejam funcionar autonomamente no domínio da psicoterapia, psicopedagogia, interacção social ou desenvolvimento pessoal, relacionam-se com o livro indicado no post JOANA, a traquina ou simplesmente criança?  
e a colecção dos 18 livros da BIBLIOTERAPIA foi preparada para cada um poder decidir aquilo que mais lhe convier.

Já leu os comentários?

Ver post LIVROS DISPONÍVEIS

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual

Blogs anteriores:

PSY FOR ALL (desactivado) [http://www.psyforall.blog.com]
PSICOLOGIA PARA TODOS [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial “História do nosso Blog, sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentários que são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

Para saber mais sobre este blog, clique aqui

 

Single Post Navigation

One thought on “JOANA a traquina ou simplesmente criança? – índice remissivo – glossário

  1. Sabendo que tínhamos adquirido e estávamos a ler “JOANA a traquina ou simplesmente criança?”, duas pessoas do nosso grupo quiseram que lhes explicássemos melhor os conceitos de extinção e de dissonância cognitiva e, se possível, a sua aplicação na vida prática.
    CãoPincha – compincha.wordpress.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: