PSICOLOGIA PARA TODOS

BLOG QUE AJUDA A COMPREENDER A MENTE E OS COMPORTAMENTOS HUMANOS. CONSULTA-O E ESCREVE-NOS, FAZ AS PERGUNTAS E OS COMENTÁRIOS QUE QUISERES E COLABORA PARA MELHORAR ESTE BLOG. «ILUMINA» O TEU PRÓPRIO CAMINHO OU O MODO COMO FAZES AS COISAS…

BRINCADEIRAS COM A GUERRA

 No post ROUBOS AFECTIVOS cheguei a ver o seguinte comentário:Saude-B

“Sou uma mãe preocupada que leu com atenção este post.
Fiquei surpreendida com o trecho do livro que fala nas brincadeiras com a guerra acerca do qual a mãe da Joana queria discutir.
Tenho um só filho de 9 anos que só gosta de brincar às guerras.
Que mal tem isso?”
 
Vou responder a este comentário neste post para dizer o que (o Maurício) discuti com a mãe da Joana .Joana-B

Por este motivo, vou transcrever as páginas 130 a 132 do livro “JOANA, a traquina ou simplesmente criança?” (D) em que o psicólogo conversou com a mãe dela para lhe tirar as dúvidas sobre o artigo relacionado com os jogos da guerra pelas crianças.

“– Já estou mais descansada – disse a Fernanda – Vamos agora ao tal artigo. Numa revista destinada aos pais, apareceu um artigo que dizia:
“A Guerra, para uma criança que ronda a idade escolar, torna-se atractiva pois há aquela necessidade de fazer incursões no Psicologia-Bespaço que passam sempre pelas lutas.  
Muitas vezes é a forma de descarregar a tensão quotidiana difícil de suportar.
 …
E foi assim que o Zezé e o Alberto queimaram o pijama da vizinha, estendido na corda, ao lançarem um dos seus mísseis que cuidadosa e artesanalmente fabricaram”.
Achando que este artigo era quase um elogio à brincadeira da guerra, quis fazer uma sondagem entre os colegas, amigos e conhecidos da Figueira e o resultado foi mais ou menos o seguinte:
a) dois terços das pessoas tinham gostado muito do artigo;Interacção-B30
b) metade tinha achado útil;
c) dois terços concordavam que as crianças deviam brincar às guerras;
d) oito em cada nove pessoas achavam que deveriam ser tomadas certas precauções.

Contudo, só menos de metade conseguiu dizer que se devia tomar cuidado quanto aos objectos com que as crianças fazem a «guerra», quanto ao seu significado e quanto à necessidade de dissociação entre a guerra a sério e a guerra de brincadeira. Este é um modo de as ajudar a tomar consciência de que a guerra deve ser evitada, sendo Psicopata-Bsempre preferível utilizar a argumentação e a razão para se fazer valer um ponto de vista. Os que responderam deste modo eram indivíduos com instrução acima do ensino secundário. O que acontecerá com os restantes?
– Não sei – respondi – provavelmente brincarão mais às guerras porque os pais gostaram do artigo e acham que a guerra é recomendável.
– E qual a sua opinião – perguntou-me a Fernanda – já que a idade de brincar às guerras pode situar-se também na idade do início da escolaridade?
– Julgo que brincar às guerras não é mau, desde que se tomem as medidas que alguns dos sujeitos da sondagem verbalizaram e se procure sempre fazer uma conotação dos males que a guerra pode trazer, inclusive na brincadeira. É necessário aproveitar todos os factos prejudiciais ocasionados pela brincadeira da guerra, para os associar aos males da Maluco2guerra a sério. Só com uma dessensibilização bem-feita talvez se chegue a uma aversão à guerra. Porém,  qual é o não-técnico que está preparado para isso? Para os leigos, é melhor recomendar que não dêem muita atenção à guerra a não ser em termos pouco apreciativos, sem contudo a hostilizar veementemente. É bom tentar não pôr à disposição das crianças material relacionado com a guerra e, no caso de elas o adquirirem, desviar-lhes a atenção para outras brincadeiras através da utilização do reforço do comportamento incompatível (F).
– É isso que eu pensei e discuti com uma colega que quase me chamou ignorante pela apologia de brincadeiras de guerra feita no final desse artigo com uma citação de um conhecido psicanalista da época: “Há as crianças que brincam às guerras e há as crianças e os adultos que as fazem. Brincar às guerras, vacina provavelmente contra a guerra. Viver a guerra dentro de si sem a «brincar» origina provavelmente as «pessoas da guerra»…“.Consegui-B
– Posso não ter admiração por certos psicanalistas que me parecem utópicos e com ideias preconcebidas. Até parece que alguns desculpabilizam o seu analisando assacando as «culpas» ou as «causas» das suas «desgraças» à sociedade que os rodeia. Contudo, concordo que provavelmente as brincadeiras de guerra vacinem as crianças contra a mesma desde que essa brincadeira lhes provoque reforço negativo vicariante com o final da guerra. O que me parece importante é que os artigos sejam esclarecedores e completos e que não contenham meias verdades. Senão, às vezes, podem ser prejudiciais.
– Assim já sei com que posso contar e acho que a minha ideia sobre educação, violência, etc., está correcta, embora nem sempre consiga ter um comportamento coerente com a minha maneira de pensar e sentir. São situações em que nos envolvemos súbita Acredita-Be inesperadamente e que não nos deixam oportunidade para um «volte face» apropriado.
************************
Nestas circunstâncias, depois de ler a transcrição da conversa entre a mãe da Joana e o psicólogo, convém que cada pessoa esteja bem ciente dos mecanismos do comportamento humano, conheça e observe bem a pessoa com quem lida, descubra quais os reforços que ela prefere, quais são os mais manipuláveis e possíveis de dar, qual o objectivo pretendido e planeie as acções de acordo com a finalidade desejada, não se esquecendo do feedback necessário para o replaneamento de toda a acção.

Já leu os comentários?arvore

Ver post LIVROS DISPONÍVEIS

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual

Blogs anteriores:

PSY FOR ALL (desactivado) [http://www.psyforall.blog.com]

PSICOLOGIA PARA TODOS [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial “HISTÓRIA DO NOSSO BLOG – sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentários que são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

Para saber mais sobre este blog, clique aqui

Anúncios

Single Post Navigation

4 thoughts on “BRINCADEIRAS COM A GUERRA

  1. Anónimo on said:

    Obrigado pelo alerta. Nem sempre nos lembramos das consequências.

  2. Anónima on said:

    Acabei de ler este poste por indicação de uma amiga.
    Consultei também o dos LIVROS DISPONÍVEIS.
    Agradeço que me envie pelo correio este livro, o da JOANA, para o endereço que vou indicar no e-mail, dentro de 5 minutos.
    Obrigada.

  3. Os nossos conversadores tem gostado destes últimos postes, desde CONSEQÊNCIAS E PREVISÕES. Alertam as pessoas para muita coisa que fazem por descuido ou desconhecimento. Mas não leram ainda muitos dos postes anteriores que também são interessantes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: