PSICOLOGIA PARA TODOS

BLOG QUE AJUDA A COMPREENDER A MENTE E OS COMPORTAMENTOS HUMANOS. CONSULTA-O E ESCREVE-NOS, FAZ AS PERGUNTAS E OS COMENTÁRIOS QUE QUISERES E COLABORA PARA MELHORAR ESTE BLOG. «ILUMINA» O TEU PRÓPRIO CAMINHO OU O MODO COMO FAZES AS COISAS…

O AUTISMO ENTRE NÓS – 3

Senhores CãoPincha.Psicologia-B

Agora que estou com algum sossego para responder ao vosso comentário, posso dizer que, por mero acaso, vi a peça do Programa da  À PROCURA DE UM FINAL FELIZ, exibida no Programa ‘Casos da Vida’ (TVI), na noite de 28 de Julho.

Quanto à minha ideia sobre essa peça e o autismo, pouco posso dizer porque até ao momento em que ela foi produzida, parece nada ter sido feito em Portugal a não ser mandar vir técnicos estrangeiros para os ouvirmos…!!!Saude-B
Suponho que não é necessário solicitar-vos a releitura dos nossos posts sobre o Autismo, a começar pelo do antigo blog PSICOLOGIA PARA TODOS.
Falando especificamente da peça televisiva, posso dizer mais ou menos o seguinte.

1 – Se foi produzida para emocionar o telespectador, julgo que a finalidade foi conseguida com a «re-união» do casal, depois da sua separação, talvez por causa do «incómodo» provocado pelo filho autista.
2 – Se a intenção era dizer que os deficientes causam «incómodo» nas suas famílias, não havendo apoios sociais e educacionais Interacção-B30adequados por parte do Estado, talvez se tenha conseguido dar alguma ideia.
3 – Se houve a intenção de apresentar um autista e a sua recuperação, parece que foi um autêntico desastre porque:
a) Não faltaram as «burradas» de apresentar um psiquiatra que nada mais fez do que, com uma actuação pouco coerente, elaborar um diagnóstico que era mais do que evidente à primeira vista, além de observar a criança uma série de vezes para dizer que estava a melhorar e aconselhar os pais a conformarem-se com a situação.
b) Não houve a intervenção de um único psicólogo que observasse a criança pormenorizadamente para descobrir qual era o seu reforçador, ajudar a planear uma estratégia de actuação, apoiar os professores, os terapeutas, os auxiliares, os pais e outros Consegui-Bfamiliares.
c) Não existiram observações e avaliações pormenorizadas pontuais e ao longo do tempo para verificar a evolução do caso e alterar os modos de actuação, a fim de se obterem maiores progressos do que os anteriores.
d) Indicar quais os organismos educacionais capazes de lidar com situações semelhantes, o seu modo de actuar e os resultados conseguidos.

Do modo como tudo foi apresentado, parece que não houve necessidade de intervenção educacional nem comportamental para que a criança, como por um milagre, começasse a portar-se dum modo diferente, sem qualquer ajuda ou instrução.

Atingindo subitamente a idade adulta, esse autista constituiu uma família como qualquer outra pessoa. Como? É possível? Que ideia totalmente errada se dá ao telespectador com esta peça?

De tudo o que vi em relação ao autismo, fiquei com a ideia de que uma criança autista, depois de ser observada várias vezes «por um psiquiatra», com muita paciência dos pais e sem qualquer outra intervenção educacional ou comportamental, a não ser umas brincadeiras com o avô, pode tornar-se um adulto, instruído e responsável para poder constituir família e ter uma vida regular.

Portanto, quanto aos autistas, tal como me apercebi há mais de 30 anos, parece que continuamos “cada vez mais na mesma”: Acredita-Bfalamos muito mas fazemos pouco e os pais dessas crianças que se “amanhem” vendo filmes que os podem indignar, sem terem alguém que os ajude a suportar o fardo que aguentam.
 
Em que é que ficou a valiosa e indispensável contribuição dos pais para a educação da criança?

▫ Quando e como é que se utilizaram as técnicas de estimulação à acção, reforço do comportamento incompatível, modelagem, moldagem, incentivo à comunicação, facilitação social e outras, que têm de ser empregues na escola e especialmente em casa, quando a criança está muito mais tempo em Depressão-Bcontacto com os familiares?

▫ Quanto tempo de interacção é que se desprezou para melhorar a actuação da criança que poderia ser muito desenvolvida?

▫ Vamos acreditar na fantochada que apresentaram numa perspectiva extremamente irreal?
 
● Concluindo, se foi uma peça para despertar a emoção e apresentar situações irreais, estão de parabéns. Aumenta as audiências enquanto as «burrificam», sem ofensa para os burros! Maluco2
● Se foi para ajudar e «educar» os ouvintes apresentando-lhe modelos de actuação válidos e necessários em casos semelhantes, estão de pêsames.

É a situação em que vamos mergulhando cada vez mais, olhando para os estrangeiros que fazem «milagres» porque, conforme dizem os nossos «conceituados e entendidos», eles têm mais tecnologia e dinheiro do que nós, quando o que mais falta nos faz aqui, é a utilização da massa cinzenta dos não-entendidos, com o arregaçar das mangas e trabalho produtivo, sem conversa balofa e explicações espúrias.neuropsicologia-B

Vejam-se os posts «arregaçar as mangas» e os «Diagnósticos», de Abril de 2010 (1, 2, 3, 4, 5, 6 e Diagnóstico Final).

Veja também este post 

Já leu os comentários?

Clique em BEM-VINDOSarvore-2

Ver também o post LIVROS DISPONÍVEIS

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual.

Blogs relacionados:

TERAPIA ATRAVÉS DE LIVROS [http://livroseterapia.wordpress.com/]

PSICOLOGIA PARA TODOS (o antigo) [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial “História do nosso Blog, sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentários que são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

Para saber mais sobre este blog, clique aqui.

Anúncios

Single Post Navigation

3 thoughts on “O AUTISMO ENTRE NÓS – 3

  1. CãoPincha on said:

    Gostámos deste artigo.
    CãoPincha

  2. Tenho um sobrinho de 7 anos que foi considerado autista.
    Está numa escola especializada e tem o apoio de terapeutas.
    Parece que o seu comportamento em nada melhorou.
    Em casa, quase nada se faz com ele.
    Como penso visitá-los aos fins-de-semana, poderei dar-lhe algum apoio?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: