PSICOLOGIA PARA TODOS

BLOG QUE AJUDA A COMPREENDER A MENTE E OS COMPORTAMENTOS HUMANOS. CONSULTA-O E ESCREVE-NOS, FAZ AS PERGUNTAS E OS COMENTÁRIOS QUE QUISERES E COLABORA PARA MELHORAR ESTE BLOG. «ILUMINA» O TEU PRÓPRIO CAMINHO OU O MODO COMO FAZES AS COISAS…

PSICOPATA

Comentário de um Anónimo em ACONSELHAMENTOS 11Psicopata-B

O que diz neste artigo, parece contradizer aquilo que o Psicólogo Professor Paulo Sargento disse hoje no programa “Querida Júlia” quanto ao rapaz que matou a namorada em Santo Tirso e depois, até sem se denunciar, foi ajudar a tentar descobrir o seu corpo.
Não compreendi bem o que ele disse, mas deduzi que era uma doença de que o assassino sofria – «psicopata», – parecendo que não tem nada a ver com o seu passado. Pareceu-me uma doença em relação à qual nada se pode fazer senão aceitar e tratar.
Fiquei confuso. O que diz quanto a isso?Saude-B

Em resposta a este comentário, tenho de dizer, antes de tudo, que, por acaso liguei a televisão e, excepcionalmente, fui ver a SIC no momento em que falaram na informação dada pelo «Pedro» que conhecia o assassino e não gostava dele.

Pela descrição que esse Pedro fez da situação, consegui depreender que esse assassino, desde pequenino, era muito mimado essencialmente pelo pai e pelos avós, não tendo a mãe qualquer capacidade de intervenção para chamar a atenção da criança quando fazia disparates e tinha comportamentos violentos, sem qualquer razão justificativa.Psicologia-B

Qualquer intervenção repreendedora da mãe seria imediatamente cerceada pelo pai ou pelos vós. O rapazinho poderia fazer o que quisesse e tinha todo o apoio quando fazia disparates.

Se o meu comentador não conseguiu compreender o que disse esse Professor Paulo Sargento – que eu não conheço – eu também fiquei na mesma depois de ter praticado a docência e a intervenção em psicologia clínica e psicoterapia nos últimos 35 anos. Portanto, não me admira a sua incompreensão!

Tanto quanto me consigo aperceber da situação, se a descrição desse «Pedro» estiver certa, o assassino foi sempre mimado Interacção-B30pelos pai e avós, obtendo daí reforço positivo com toda a gama dos seus comportamentos, quer aceitáveis, quer inaceitáveis, que foi aprendendo ao longo dos anos para estruturar a sua personalidade.

Entre a mãe e os outros havia divergência de conceitos e comportamentos, o que também deve ter criado no rapaz uma dissonância cognitiva, podendo tirar partido daquilo que lhe era mais favorável.

Podermos atingir ou exigir tudo aquilo que desejamos, seja a que preço for, torna-se sempre agradável para qualquer pessoa. Se essa situação nos for oferecida gratuitamente, melhor ainda. Qualquer pessoa «normal» reage assim. A Joana (D) também reagiria assim, se fosse educada de outra maneira.mario-70

Se a infância e a adolescência desse assassino foi cheia de episódios semelhantes, a estruturação da sua personalidade foi moldada no sentido de exigir aquilo que mais lhe convinha. Provavelmente, o namoro era exigido por ele, como se tivesse direito a isso.

Além disso, o comportamento do pai, mencionado pelo Pedro, dá a entender que o filho podia estar a modelar-se no pai. E qual o relacionamento entre os pais? Submissão da mãe? Seria isso que o assassino desejaria da namorada?Biblio

Com encadeamento de todos estes factos, seria absolutamente natural e «normal» que o assassino desenvolvesse uma personalidade psicopática, reversível com psicoterapia e evitável com uma educação diferente em que ele aprendesse a respeitar os direitos dos outros, cerceando as suas necessidades quando colidissem com os direitos legítimos dos outros. A propósito, o Joel (G) era psicopata?

Grande parte das vezes é isso que acontece quando a «educação» não funciona como um meio de ajudar a estruturar a personalidade em moldes adequados.Acredita-B

Contudo, os DIAGNÓSTICOS tardios, servem para muitos brilharem à sombra deles.

Diagnósticos 1
Diagnósticos 2
Diagnósticos 3
Diagnósticos 4
Diagnósticos 5Maluco2
Diagnósticos 6
Diagnóstico final
«arregaçar as mangas»

Já leu os comentários?

Clique em BEM-VINDOS

Ver também o post LIVROS DISPONÍVEIS.arvore-2

É aconselhável consultar o ÍNDICE REMISSIVO
de cada livro editado em post individual.

Blogs relacionados:

TERAPIA ATRAVÉS DE LIVROS [http://livroseterapia.wordpress.com/]

PSICOLOGIA PARA TODOS (o antigo) [http://psicologiaparaque.blogspot.pt/]

Para tirar o máximo proveito deste blog, consulte primeiro o post inicial “História do nosso Blog, sempre actualizada”, de Novembro de 2009 e escolha o assunto que mais lhe interessa. Depois, leia o post escolhido com todos os comentários que são feitos. Pode ser que descubra também algum assunto acerca do qual nunca tivesse pensado.

Para saber mais sobre este blog, clique aqui.

Anúncios

Single Post Navigation

3 thoughts on “PSICOPATA

  1. Agradeço a explicação que me foi dada. Estava confuso com aquilo que tinha ouvido na televisão.

  2. Voçê consegue acreditar num individuo que se intitula de pedro,que só viu o jovem com 2 anos????Se o sr estiver certo de uma ideia não dá a cara?Vamos ser objectivos e corretos,um psicopata é um individuo que já é reincidente num determinado comportamento,ele com dois anos ao matar formigas no quintal já quererá dizer que tem uma veia de assassino???Pai,avós…isto cheira-me a uma pessoa recalcada,que teve os seus 5 minutos de fama de uma forma bastante infeliz! É a minha opinião e vale o que vale.Grato pela atenção.

    • Não consigo entender bem o significado do seu comentário. Julgo que e resposta está dada no próprio post. A psicopatia, se não for fisiológicamente orientada, pode ser adquirida por dissonâncias cognitivas, modelagens e moldagens ocorridas na sociedade, incluindo a família. Muitos de nós matamos formigas ou animais em momentos de desorientação ou até de distracção, sem nos tornarmos, futuramente, psicopatas. Contudo, um processo semelhante, continuado, com «gozo» do próprio, muitas vezes para resolução de alguma frustração, pode aumentar para uma veia psicopática. Também, pode o reforço secundário negativo daí decorrente, orientar a pessoa para qualquer outro vício.
      Os livros “SAÚDE MENTAL em psicopatologia” (A) e o “PSICOPATA! Eu?” (G), quando publicado, podem dar uma resposta mais completa acerca da minha opinião.
      O que se diz na TV não me interessa coisa alguma. Se ler bem os meus posts, nos dois blogs, pode ser que encontre algo sobre frustração, reforço negativo e vício. O mecanismo pode ser semelhante e nunca se poder classificar numa psicopatia, mas sim uma reacção momentânea à frustração como pode ter acontecido com Renato Seabra.
      Se houvesse alguma «doença mental» a ser atribuída a qualquer dos dois intervenientes deste episódio, com a minha prática clínica de mais de 35 anos, atribui-la-ia mais ao Carlos Castro do que ao Renato Seabra.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: